Menu Ouça ao vivo

Fechar

  • O Grupo
  • Anuncie
  • Contato
  • Cotações estáveis na soja

    Os preços pouco evoluíram, apesar do câmbio novamente registrar uma desvalorização do Real

    As cotações da soja em Chicago praticamente ficaram estáveis. No dia 15 de novembro houve a troca de mês naquela Bolsa, com o primeiro mês cotado passando a ser janeiro/2019. Com isso, o fechamento ficou em US$ 8,88/bushel, contra US$ 8,67 uma semana antes.

    Durante a semana as cotações chegaram a recuar um pouco, puxadas pelo anúncio de aumento nos estoques finais dos EUA para 2018/19, conforme o relatório de oferta e demanda do USDA, informado no dia 08/11.

    Posteriormente, ajustes técnicos, conhecidos também como tomada de lucros por parte dos operadores, reverteram o viés baixista e estabilizaram as cotações nos atuais níveis.

    Aqui no Brasil, os preços pouco evoluíram, apesar do câmbio novamente registrar uma desvalorização do Real, com a nossa moeda chegando a bater em R$ 3,83 em alguns momentos desta semana, mais curta devido ao feriado do dia 15/11 (muitos fizeram feriadão, inclusive).

    Com isso, o balcão gaúcho fechou a semana na média de R$ 75,45/saco, enquanto os lotes ficaram entre R$ 81,00 e R$ 81,50/saco. Nas demais praças nacionais, os lotes oscilaram em R$ 77,50 no norte e centro do Paraná; R$ 65,00 em Sorriso (MT); R$ 70,50 em São Gabriel (MS); R$ 76,00 em Goiatuba (GO); R$ 82,00 em Campos Novos (SC); R$ 72,00 em Uruçuí (PI); e R$ 69,00/saco em Pedro Afonso (TO).

    Vale destacar que a China comprou 60,1 milhões de toneladas de soja em grão do Brasil entre janeiro e outubro deste ano, segundo a Secex. Uma alta de 20% sobre o registrado no ano anterior. Tal aumento se deve ao litígio comercial dos chineses com os EUA. O segundo maior comprador nacional foi a Espanha com 1,9 milhão de toneladas, redução de 3%, seguida da Holanda com 1,3 milhão e queda de 2%.

    Este movimento chinês permitiu, até poucas semanas atrás, que os prêmios nos portos brasileiros ficassem elevados. Neste mês de novembro o quadro começou a mudar, já que o Brasil tem pouca soja, no momento, para exportar e as compras chinesas diminuem. Com isso, nossos prêmios fecham a atual semana entre US$ 0,98 e US$ 1,67/bushel, perdendo mais de 50% de seu valor de algumas semanas atrás em alguns portos nacionais. Este, aliás, é um dos motivos do recuo nos preços internos da soja, apesar do câmbio ter voltado a ajudar.

    Quanto a comercialização da nova safra, que está sendo plantada, ela atingiu vendas antecipadas de 31% no país até o dia 09/11, contra 33% na média histórica. Os Estados que já venderam acima da média, aproveitando os preços elevados do momento, são Mato Grosso e Santa Catarina. 

    Enfim, o plantio da nova safra nacional de soja atingiu  69% da área esperada até o dia 09/11, contra 56% na média histórica, estando, portanto, bem avançado. O Rio Grande do Sul chegava a 20%; o Paraná a 79% e o Mato Grosso a 96%. Em relação a média histórica, os Estados mais avançados são o Mato Grosso, Minas Gerais, Bahia e Santa Catarina.

    Fonte: agrolink

    Jornalismo Grupo Chiru