Menu

22°

Palmitinho - RS
26° max
21° min

Fechar

22°

Palmitinho - RS
26° max
21° min
  • O Grupo
  • Anuncie
  • Contato
  • Ministério Público denuncia prefeito de Planalto por pedofilia

    Caso ainda está sendo analisado pela 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça

    O Ministério Público (MP) denunciou o prefeito de Planalto, Antônio Carlos Damin (PDT), por três crimes na investigação que apurou suposto estupro de vulnerável que teria sido cometido pelo chefe do Executivo contra uma garota de 13 anos. A denúncia, apresentada pela Procuradoria dos Prefeitos no início de agosto, ainda está em análise pela 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça.

    Os crimes pelos quais Damin foi denunciado são conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com menor de 14 anos, posse irregular de arma de fogo de uso permitido e posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito. Caso a denúncia seja aceita e o prefeito acabe condenado com pena máxima pelos três crimes, a punição poderia chegar a até 24 anos de reclusão.

    A procuradoria preferiu não pedir a prisão do prefeito neste momento. A argumentação é que os fatos investigados ocorreram há um ano e Damin não oferece risco a outras pessoas. O prefeito, que após a operação que buscou documentos em residências dele e na prefeitura em 15 de maio se afastou para cuidar da saúde, segue no cargo.

    Em entrevista por telefone à GaúchaZH, Damin se defendeu das denúncias e diz que o MP está agindo de maneira política.

    — Fui surpreendido com uma grande armadilha e mentiras bem grosseiras. Tem um cunho de vingança, um cunho político no meio disso. O que mais me impressionou em tudo é que fizeram uma investigação baseada na mídia. Sou um prefeito de quarto mandato, fui oficial de Justiça. Sei das consequências de lidar com esse tipo de coisa com menores —, afirmou Damin.

    O prefeito disse que vai provar que tudo o que foi dito "não passou de uma grande mentira". Damin ainda considera que "já foi sentenciado" com a repercussão do caso.

    — Para chegar no quarto mandato de prefeito tu precisas ter postura, perfil. Esse perfil que eles (MP) traçaram para mim não é o meu gênero, minha conduta. Fiquei muito triste inclusive com a mídia que fez espetáculo em cima do meu nome —, critica.

    Por fim, o prefeito ainda argumentou que ele somente "pediu à menina para ela sair de onde estava", sem dar detalhes. Damin prefere só relatar exatamente os fatos em juízo.

    RELEMBRE O CASO

    Em 15 de maio, agentes do Ministério Público cumpriram três mandados de busca e apreensão nas residências e no gabinete do prefeito. A investigação começou em março de 2018 e chegou até o conhecimento do MP após denúncia ao Conselho Tutelar.

    De acordo com o promotor Alexandre Salim, a menina de 13 anos contou que vinha sendo procurada pelo chefe do Executivo para que mantivesse relações sexuais em troca de R$ 1 mil. O prefeito chegou a ser autuado por posse ilegal de arma de fogo.

    No dia da operação, Damin concedeu entrevista em que disse estar com “consciência tranquila” e que não entendia de onde surgiu a acusação. A 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça proibiu que o prefeito entre em contato com a vítima e os pais dela, por qualquer meio, seja pessoalmente ou por terceiros, ou mesmo por meios eletrônicos ou telefônicos, além de guardar distância mínima de 200 metros da família.

    Damin também foi proibido de sair do município sem autorização judicial.

    A Câmara de Vereadores não abriu comissão processo para apurar os fatos.

    Fonte: GaúchaZH

    Jornalismo Grupo Chiru
    No Ar: Tá na Hora com Edinei Dal Asta 08:00 - 10:00

    FM
    91,1

    Ótimo Dia

    Marcinho San

    09:00 - 11:00

    FM
    104,3

    Manhã News

    Delfo de Souza com a participação da equipe de Jornalismo do Grupo Chiru

    07:15 - 10:00

    FM
    107,9

    Tá na Hora

    Edinei Dal Asta

    08:00 - 10:00