Menu

23°

Palmitinho - RS
33° max
19° min

Fechar

23°

Palmitinho - RS
33° max
19° min
  • O Grupo
  • Anuncie
  • Contato
  • RS comemora dois anos de zona livre de aftosa sem vacinação

    O último caso da doença registrado em território gaúcho foi em 2001

    O Rio Grande do Sul completará dois anos de zona livre de febre aftosa sem vacinação, status concedido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), no sábado, 27 de maio. A conquista foi fruto do esforço do poder público, de entidades e do setor produtivo.

    De 2020, um ano antes da certificação internacional, até agora, foram diversas as ações desenvolvidas pela Secretaria da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação (Seapi) para garantir este status, como a implantação do Sentinela, programa de vigilância de fronteira que é referência nacional, do programa Guaritas, que faz a vigilância em 97 municípios da fronteira do Rio Grande do Sul com Santa Catarina, e de ações de vigilância ativas e passivas.

    Os dados revelam o empenho. A vigilância ativa para febre aftosa registrou de 2020 até março de 2023 cerca de 19 mil fiscalizações em propriedades, 92 mil fiscalizações em barreiras de bovinos, bubalinos, ovinos e suínos, com 180 apreensões, 1,6 mil barreiras e 15 mil veículos fiscalizados. Entre os produtos inspecionados estão carnes, couros, derivados lácteos, leite, ovos, embutidos, subprodutos e vísceras.

    No caso do Sentinela, foram quase 84 mil bovinos fiscalizados, 918 barreiras e mais de 170 mil quilômetros de fronteira com Argentina e Uruguai percorridos. O Guaritas, só em 2022, percorreu 22 mil quilômetros, fiscalizando 1.982 veículos e 9,3 mil produtos, e instalou 123 barreiras.

    “O certificado internacional é algo a ser comemorado, principalmente pelas possibilidades que se abrem de novos mercados internacionais para os nossos produtos. Além disso, é um resultado sustentado pela cadeia produtiva, mas também pela expertise do serviço de vigilância animal do Rio Grande do Sul, que é referência no país em muitas áreas”, destaca o titular da Seapi, Giovani Feltes.

    Outros estados

    Além do Rio Grande do Sul, foram certificados como zona livre de aftosa sem vacinação, em maio de 2021, Acre, Paraná, Rondônia e alguns municípios do Amazonas e do Mato Grosso. Santa Catarina tem a certificação internacional há 16 anos.

    No Brasil, o status do Rio Grande do Sul de zona livre de aftosa sem vacinação foi concedido pelo Mapa em 11 de agosto de 2020. Para atingir esse status sanitário, o Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA) determina critérios técnicos, estratégicos, geográficos e estruturais. O último caso da doença registrado em território gaúcho foi em 2001.

    *Com informações do Governo do RS

    Helena Knob - Jornalismo Grupo Chiru
    No Ar: Super Sequência com . 21:00 - 00:00

    FM
    91,1

    Pub 91

    .

    17:00 - 22:00

    FM
    104,3

    Rede Gaúcha Sat

    .

    20:00 - 00:00

    FM
    107,9

    Super Sequência

    .

    21:00 - 00:00