Menu

21°

Palmitinho - RS
25° max
20° min

Fechar

21°

Palmitinho - RS
25° max
20° min
  • O Grupo
  • Anuncie
  • Contato
  • STF forma maioria contra "poder moderador" das Forças Armadas

    Votação só será concluída no dia 8 de abril

    Com o voto do ministro Gilmar Mendes, o Supremo Tribunal Federal formou maioria para reafirmar que não existe no Brasil a função de “poder moderador” diante dos Três Poderes da República e que a Constituição não possibilita uma intervenção militar.

    Gilmar Mendes acompanhou o entendimento do relator, ministro Luiz Fux, de que o poder das Forças Armadas é limitado. Até a manhã desta terça-feira (2), ainda faltavam votar cinco ministros.

    Está sendo analisada, no plenário virtual, uma ação protocolada em 2020 pelo PDT para impedir que o Artigo 142 da Constituição seja utilizado para justificar o uso do Exército, Marinha e Aeronáutica a fim de interferir no funcionamento das instituições democráticas. 

    A tese do “poder moderador” foi enfatizada pelo ex-presidente Jair Bolsonaro para justificar eventuais medidas contra outros poderes durante o seu governo. 

    Os ministros julgam a ação da forma definitiva. Em junho de 2020, o relator do caso, ministro Luiz Fux, concedeu a liminar para confirmar que o Artigo 142 não autoriza intervenção das Forças Armadas nos Três Poderes. Pelo texto, os militares estão sob autoridade do Presidente da República e se destinam à defesa da pátria e à garantia dos poderes constitucionais, não podendo ser utilizados contra eles.

    – A missão institucional das Forças Armadas na defesa da pátria, na garantia dos poderes constitucionais e na garantia da lei e da ordem não acomoda o exercício de poder moderador entre os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário –, afirmou. 

    O ministro Flávio Dino no detalhamento do seu voto afirmou que não existe no país um “poder militar”. E chamou o golpe de 1964 de “período abominável”. “Lembro que não existe, no nosso regime constitucional, um poder militar. O poder é apenas civil, constituído por três ramos ungidos pela soberania popular, direta ou indiretamente. A tais poderes constitucionais, a função militar é subalterna, como aliás consta do artigo 142 da Carta Magna”, concluiu. 

    O julgamento é realizado no plenário virtual, modalidade na qual os ministros inserem os votos no sistema eletrônico da Corte e não há deliberação presencial. A votação começou na última sexta-feira, 29 de março e será finalizada no dia 8 de abril. 

    *Informações Agência Brasil 

    Heloise Santi - Jornalismo Grupo Chiru
    No Ar: Playlist Chiru com . 22:00 - 23:00

    FM
    91,1

    Deixa Rolar

    .

    22:00 - 00:00

    FM
    104,3

    Rede Gaúcha Sat

    .

    22:00 - 00:00

    FM
    107,9

    Playlist Chiru

    .

    22:00 - 23:00