Menu

34°

Palmitinho - RS
36° max
19° min

Fechar

34°

Palmitinho - RS
36° max
19° min
  • O Grupo
  • Anuncie
  • Contato
  • Secretaria da Agricultura do RS reúne entidades para definir estratégias de prevenção à raiva herbívora

    O controle e prevenção da raiva herbívora é tema de reunião entre produtores e Secretaria da Agricultura

    As ações de prevenção e combate à raiva herbívora, transmitida pelo morcego hematófago, foram a pauta da reunião entre representantes da Farsul, Famurs, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e do Programa de Controle da Raiva Herbívora, da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, na manhã desta quinta-feira (2/6), na sede da Seapdr, em Porto Alegre.

    Os dados dos cinco primeiros meses de 2022, contabilizados pelo programa, registram 36 focos de raiva herbívora em 19 municípios. Este número já é maior do que o registrado em 2020 (total de 29 focos) e está perto dos dados de 2021, quando o Rio Grande do Sul notificou 48. O município com maior número de focos neste ano de 2022 é Itacurubi, seguido de Santiago, Muçum, Gravataí e Bossoroca.

    “O objetivo da reunião de hoje foi buscar o apoio das entidades para fazer um trabalho preventivo junto aos produtores, de buscar a conscientização sobre os riscos da doença para os animais e pedir o auxílio na identificação de casos, notificação e na indicação de refúgios para combater os focos”, destaca o coordenador do Programa de Controle da Raiva Herbívora da Secretaria da Agricultura, Wilson Hoffmeister.

    Segundo Wilson, este aumento no número de casos se deve às questões climáticas registradas, tanto a estiagem registrada no Rio Grande do Sul desde dezembro de 2021, quanto as chuvas que vieram logo depois. 

    Os casos de raiva herbívora devem ser notificados imediatamente ao Serviço Veterinário Oficial (SVO) em qualquer caso suspeito.

    Identificação dos casos

    A doença geralmente se inicia com o isolamento voluntário do animal, apatia, perda do apetite, podendo haver sensibilidade e prurido na região da mordedura. Evolui com vocalização constante,  hiperexcitabilidade, salivação abundante, dificuldade para engolir, movimentos desordenados da cabeça, ranger de dentes, incoordenação motora, andar cambaleante e contrações musculares involuntárias. Depois, o animal não consegue mais se levantar e apresenta movimentos de pedalagem, dificuldade respiratória, asfixia e morte, que ocorre geralmente entre 3 e 6 dias após o início dos sinais, podendo em alguns casos, ocorrer em até 15 dias.

     

    Priscila Silveira - Jornalismo Grupo Chiru
    No Ar: Sul Bandas com Vilmar Luza 17:00 - 19:00

    FM
    91,1

    Alma de Campo

    Ricardo Favin

    17:00 - 19:00

    FM
    104,3

    Happy Hour 104

    Douglas Biguelini

    17:00 - 19:00

    FM
    107,9

    Sul Bandas

    Vilmar Luza

    17:00 - 19:00